Blog da Mayra Cavani

Leite e suas implicações na saúde

FacebookTwitterPinterest

Na edição 2113, de 07 de maio de 2010 da revista Isto É, foi publicada uma matéria sobre o leite e os seus efeitos adversos ao organismo humano.

Esse tem sido um dos problemas que acometem boa parte da população em escala mundial. Muitas pessoas têm associado diversos sinais e sintomas que geram desconforto, ao consumo do leite de vaca. Mas afinal de contas, como o leite, que é tido como um alimento saudável, pode causar tantas complicações a nossa saúde?

Antes de prosseguir, vamos entender qual a diferença entre alergia e intolerância à lactose (açúcar presente no leite).

No caso da alergia, o sistema imunológico reage às proteínas presentes no leite de vaca, ou seja, o organismo pensa que essa proteína é um corpo estranho que precisa ser combatido e produz anticorpos que irão reagir à presença dessas proteínas, desencadeando reações alérgicas, tais como: diarreia, edema de glote, urticária e febre.

No caso da intolerância ao leite, ocorre uma impossibilidade do organismo de digerir a lactose devido à deficiência ou da falta da enzima lactase, que serve para digerir a lactose, ocasionando diversos sintomas, onde a diarreia é um dos mais comuns nesse tipo de caso.

O que tem acontecido na maioria das vezes é que muitas mães têm introduzido leite de vaca na alimentação de seus filhos de forma precoce, o que pode ocasionar complicações futuras, pois os mesmos ainda não apresentam o organismo totalmente formado para receber esse tipo de alimento.

De acordo com a SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria) a intolerância pode acontecer a qualquer momento, desde a infância, podendo se agravar na vida adulta. No caso da alergia, depende de uma predisposição genética ou hereditária, ou mesmo ambiental.

Então, qual seria a melhor conduta a ser adotada?

Alguns estudos têm sugerido diversas condutas nos diferentes casos. Em relação à intolerância ao leite, a conduta é suspender todos os alimentos que contêm a lactose da dieta num período de 30 dias e reintroduzi-los de forma gradativa para observar se o organismo exercerá alguma reação em relação ao consumo do mesmo. Já no caso da alergia, é importante eliminar leite e derivados da dieta, porque mesmo uma quantidade mínima pode provocar uma reação intensa. Mesmo que o leite seja substituído pelo leite sem lactose, não irá resolver o problema, já que se está retirando a lactose (o açúcar do leite) que não é o problema. No caso do leite de cabra, há uma quantidade de proteínas similar ao que está presente no leite de vaca.

O ideal seria o consumo do leite de arroz, como um substituto do leite de vaca ou o leite com proteínas hidrolisadas (pré-digeridas) ou hipoalergênicas (apresentam um teor de alergenicidade), facilitando assim seu aproveitamento pelo organismo sem provocar reações adversas.

Os rótulos dos alimentos devem ser lidos com atenção para se identificar as fontes de lactose. As principais fontes de lactose são o leite, soro, coalhada, fermentos, nata, manteiga, etc. Outras fontes possíveis de lactose são os adoçantes e medicações.

Quanto mais cedo se estabelecer o diagnóstico, menores serão as consequências. O mais importante é ter um acompanhamento com um com um gastroenterologista, que irá fazer o diagnóstico da situação em cada pessoa, e com um nutricionista que estará orientando qual será a melhor conduta a ser adotada para cada caso, visto que nem todo organismo reage da mesma maneira, pois possuímos uma individualidade bioquímica, onde cada organismo responde de maneiras diferentes.

fonte: vp

Deixe um comentário

FacebookTwitterPinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *